quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

O conceito de tempo.

14 semanas de gravidez & 14 semanas de vida.

O tempo não são os anos que ficam para trás ou os que faltam.
O tempo são os acontecimentos e as evidências.
Não são os segundos, as horas, os dias que passam.
São as palavras que se dizem, as lições que aprendemos, as crianças que nascem.
O 2010 foi particularmente cheio para mim. E os dias foram os mesmos.
Gerei uma criança.
Deixei uma casa.
Comprei terra.
Ouvi o "Gosto tanto 'ti" do meu Filho.
Começei um projecto de vida.
Dei à luz a Menina.
Ouvi a comunicação que me desiludiu.
Senti mágoa.
Escutei a frase que me orgulhou.
Senti a missão cumprida.

E assim foi.
E 2011 está aí.
Desejo, e desejo-vos tudo de bom.
A todos a quem quero, e que nos querem bem, um Bom Ano!
Inês.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

3 Meses.


Maria Teresa,
Nasceste há noventa dias.
Ainda me recordo da minha vida sem ti, mas consigo espontaneamente enumerar noventa motivos pelos quais a minha vida é irreversivelmente melhor agora, contigo.
Estamos juntas, noite e dia, choro e riso, dor e alegria.
O meu braço já tem a forma do teu corpo.
O meu ouvido já tem o alerta do teu suspiro.
O meu coração dobrou.

Quero-te tão bem, minha filha.
Noventa vezes te digo. Só para começar.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Onde está o meu Wally?


Alguém encontra o meu filho dentro do seu quarto? Por favor?

Entro e tropeço no Buzz.
Dou mais um passo e piso um gormiti.
Viro a cabeça e bato com a testa na avioneta suspensa.
Continuo e escorrego sobre os lápis de cera.
Caio sobre a trotineta da qual descai um capacete que me magoa o resto da testa imaculada.
Tento levantar-me e esmago o Ruca.
Continuo a tentar levantar-me e deslizo sobre o Noddy.
Entretanto sou rasteirada pelo Pocoyo.

Farta de sofrimento, saio do quarto.
Opto por uma solução mais sã, beber um chá de camomila e esperar que Wally reapareça.

Pirosa? Pois.

Se um dia eu tivesse uma menina, eu dizia:

- "Não vou usar acessórios antes de, no mínimo, completar o primeiro ano de vida";
- "Não serei submissa à tirania do rosa".

Mais um engano. Mais um erro meu.
Estou uma pirosa.
Já tinha um Príncipe charmoso cheio de pinta e fui agora arranjar uma boneca.
Estou uma pirosona irremediável e irrecuperável.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Há a outra.

Porque nem sempre escrevo?
Porque:
a) Não tenho tempo (nesta fase da minha vida passo pouco tempo em frente à máquina);
b) Os miúdos podem estar doentes;
c) Há a outra.

A outra é a Inês. A maior e mais importante parte de mim é a Mãe Inês, mas existe o resto. Bom, chamar-lhe resto é quase ofensivo. Reformulo, sou a Mãe, sobretudo a Mãe, mas também sou Mulher. E a Mulher tem preocupações, ocupações, interesses e/ou desinteresses que não têm espaço neste lugar. Neste Blog essencialmente deposito imagens, palavras e sensações da minha experiência como Mãe, porque me sabe bem e, quem sabe, um dia mais tarde, os meus filhos se possam vir a divertir com isto.

Quando a Outra anda mais ácida nem pensa em passar por cá.
Sobretudo para os meus pequenos : Quando, um dia, eventualmente, visitarem este blog ou o seu manuscrito, é por estes motivos que, por vezes, fico muito tempo sem escrever e nunca por não ter o que expressar sobre tudo o que despertam em mim.

Miguel Maria e Maria Teresa,
Sou vossa Mãe, porém, também existe mais de mim.
Mas sempre e acima de tudo, vossa Mãe. 

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Bocas. Boquinhas.


Não sei se amuo,
Não sei se rio.
Não sei se faço beicinho,
Não sei se durmo!

Mas eu sei, querida,
Que qualquer tua expressão,
Provoca um sorriso apaixonado meu.

domingo, 12 de dezembro de 2010

O teu Mundo.


Habitualmente percebo o que te passa pela cabeça através das tuas palavras.
E, com as tuas palavras, desenho cenários na minha cabeça sobre o teu mundo.
Mas, cada vez mais, gostas de mo mostrar.
Com os olhos brilhantes, a mão ágil e a voz doce a narrar aquilo que sabes e me queres contar.
Fico encantada e chego a sentir que, tantas vezes, saltamos os dois, de mão dada, para o lado de lá, da folha, do papel, do teu mundo.

Desenha, filho, o teu Mundo.

Tudo bem?

Como estão vocês, pessoas simpáticas que por aqui passam, e que atenciosamente se preocupam connosco e generosamente nos enviam palavras de alento, como estão?

Nós estamos bem melhor. O pequeno já só tem hemorragias nasais (pelo frequente assoar de nariz) a cada dois dias, e a pequena já só tosse durante uma hora pela madrugada, pelo que, bem melhor.
O ofício de mãe, por vezes, tem ossos bem duros de roer!

E agora vamos às compras, fazer planos, trabalhos para a festa da escola, comer chocolates e embrulhar presentes!

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Em modo 112.

Por cá os miúdos estão doentes. Os dois.
Se uma criança doente é angustiante, uma criança doente mais uma bebé doente é algo avassalador.
O pai fora do país e eu a ter que ir sozinha, de ambulância, com os dois para o hospital. Um medo sem descrição.
Assustador mas, como sabemos, infelizmente faz parte. Para eles crescerem têm, também, que ficar doentes.
Por isso, estamos temporariamente fora de serviço pois esta mãe está, por agora, em modo Serviço de Urgência no domicílio.
Como diz o Pediatra, agora é tudo em dobro, além de tudo o que é tão bom, dobra também a febre, o ranho e as dores.

Cuidado com as gripes.
Beijos e abraços.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Sorriso.


O teu primeiro, foi meu.
E irás dar muitos mais.
Sorrisos por graça.
Por cócegas. Por felicidade.
Por amor. Por vaidade.
E quando sorris, roubas sorrisos.
Mas o teu primeiro, roubei-o eu.

Hipo's e Hiper's.

Este Blog anda hipoactivo pois a sua autora e seus interveniente andam hiperactivos.
E não, não andam com uma doença em voga, mas sim, cheios de actividades para realizar.

_________________________
Nota: E é esta uma das raras ocasiões em que a abstinência informática/cibernética não me faz padecer, pois sei que um dia destes acordo e percebo que foi o despertador, e que são seis da manhã, e que me esperam para reunir e para apresentar e para formar e para gerir uma equipa multidisciplinar, e aí terei (ou terei que arranjar como ter) tempo para estar novamente online 12 horas diárias e para construir dias de 36 horas. E nessa altura não me quererei arrepender do que não fiz. O computador espera, mas os filhos não. É por isto que andamos blogosfericamente hipoactivos.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Enganos certeiros.

Eu dizia que com o segundo filho mudaria muita coisa e esforçar-me-ia por aplicar as mil e uma técnicas de pedagogia infantil que os livros nos vendem*. Deixaria de acudir ao primeiro choro, deixaria de me privar de fazer barulho em casa, deixaria de orientar as tarefas domésticas em função dos seus horários, e outros deixaria mais.

E deixei. Durante três dias.

E agora SHIUUUU! Ele está no colégio e ela está a adormecer, logo eu tenho de me deixar de tretas pedagógicas e recuperar a sanidade**.
Quando eu voltar a dormir 6 (SEIS) horas consecutivas, voltamos a falar em pedagogia, ok?

__________
*Os autores destes livros não têm filhos, de certeza.
** Às amigas que não tem filhos, não desmoralizem pois, ainda assim, é o melhor do Mundo (são os paradoxos da maternidade, parece-vos estranho, bem sei, mas experimentem e verão).

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Onde?

Diálogo no carro:

Eu: "Querido, vamos fazer uma surpresa à Avó?"
MM: "SIM!!!!! Onde?"
Eu: "Vamos ao trabalho da Avó."
MM: "Ao trabalho, onde?"
Eu: "O trabalho da Avó é em Lisboa."
MM: "Lisboa, onde?"
Eu: "Em Benfica."
MM: "Benfica, onde?"
Eu: "Óh filho... Benfica, Benfica em Lisboa."
MM: "Lisboa, onde?"
Eu: "Miguel Maria, Lisboa é ali à frente. Espera e já vais ver, é rápido."

- Silêncio -

MM: "Mamã, Lisboa onde?"
Eu: "EPÁ! Lisboa é em Lisboa Miguel Maria. Queres que eu meta o teu CD para cantarmos? Sim??"

E é assim que a persistência vence a pedagogia.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

O último romântico.

Bem sei que o Caetano Veloso canta que é ele o último, porém, acredito que o último romântico priva comigo.

Ontem, debruçado sobre o berço da Teresinha, a falar-lhe a ouvido:
MM: "Bom dia Amor. Acorda, Meu Amor!"



quarta-feira, 3 de novembro de 2010

3.

| 26 de Outubro de 2010 |


Os teus olhos são risonhos.
A tua boca é traquina.
O teu nariz é atrevido.
Os teus cabelos são rebeldes.

As tuas mãos são ternura.
Os teus pés são aventura.

A tua pele é açúcar.
O teu cheiro é baunilha.
O teu toque é chocolate.
A tua cor é caramelo.

Estás a crescer e, todos os dias, te descubro um predicado.
Apetecia-me guardá-los todos para mim.
Olhá-los, tocá-los, abraçá-los. Mas não posso.
São teus e és tu a crescer.

És o tal da minha vida.
Digo-te antes de adormeceres, mas sinto-o sempre que respiro : Gosto tanto de ti, filho.
Parabéns, querido.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

E para rasteirar o sono, "saloiei".

Ontem acordei com flores, dos rapazes.
Ontem bebi sangria - e que bem que me soube!*
Ontem andei nas Tasquinhas e almoçei um saboroso bacalhau ao som de música pimba (a sério amigas!).
Ontem provei doces e compotas caseiras.´
É caso para dizer que estou uma Supé Saloia.

____________
*Pouco, o aprovado pelo Pediatra, claro.

domingo, 31 de outubro de 2010

Advertência.

“O ponto central da tortura (da PIDE) era a privação do sono (…). Este recomenda a privação do sono e a privação sensorial a fim de produzir a "síndrome DDD" de "debilidade, dependência e medo", (…) As vítimas podiam ser reduzidas à submissão numa questão de horas ou dias, dizia-se ali, mas advertia-se a seguir contra aplicações duras que ultrapassam o ponto dos danos psicológicos irreversíveis".

In: http://avenidadaliberdade.org/

Isto para vos dizer que, há dias, em que me sinto uma prisioneira de guerra. Estou num ponto em que já entregava a Pátria ao inimigo.

Estou, criminosamente, bêbeda de sono.
São os efeitos perversos da maternidade.

Os danos psicológicos irreversíveis da tortura poderão comprometer qualquer lógica, pertinência ou qualidade dos meus Post's futuros.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Vamos a contas.

Não! Não vou escrever sobre o OE/2011. De forma alguma. Este é um motherhood/babyblog e, por isso, não abordo aqui temas criminosos e bagunçados como este (ou esforço-me por isso...).

Refiro-me a peso, plano e método.
Após 5 semanas do parto, falta-me perder 4 Kg (bom, para ser precisa 3,5 Kg, mas vou dar margem a gordurinhas residuais) e, portanto, já perdi 7,5 Kg.

Seria fraudulento comprometer-me com uma dieta de restrição. Sou uma hedonista convicta e privar-me de prazeres ou impor-me sofrimento não é algo que me pareça razoável, logo com pouca probabilidade de sucesso. Evidentemente que não atingirei a meta cedendo a abusos e excessos mas prefiro optar pelo
método (mais lento, sim, mas mais operacional para mim) da adição, ao invés da subtração:

- Adicionar sopa às refeições (tal como fiz durante a gravidez e que, de facto, surtiu efeitos positivos);
- Adicionar sempre vegetais e/ou legumes ao prato principal;
- Adicionar água à ingestão habitual (cumprir o objectivo de 1,5L);
- Adicionar fruta aos intervalos entre-refeições;
- Adicionar exercício físico às actuais rotinas - o aplicável a um pós-cesariana tão recente.
- Adicionar creme tonificante ao deitar.

Não vou deixar de comer chocolate, ou gelados, ou massas.
Vou sim, tentar corrigir as prioridades na ingestão destes alimentos.

Se eu podia seguir uma Dieta dos Pontos, Dieta da Sopa, Dieta da Seiva, Dieta de Atkins, etc ?
Podia. Mas não era a mesma coisa, era uma mártir.
Como me considero mais paciente, do que tolerante à dor, opto pelo plano que traçei.
Vamos a isso.

__________
Nota: E sim, além de tudo mais, estou a amamentar portanto não posso optar por maluqueiras, porém, mesmo quando esta fase terminar, o plano mantém-se pois, para mim, é o único praticável com paz de espírito.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

A revisão das miúdas.

Teresinha

A consulta no Pediatra correu muito bem. Está a crescer lindamente e, para não desonrar o brasão de família, posicionou-se no Percentil 25 (nasceu no 15) graças aos 800 gramas que ganhou nas duas primeiras semanas de vida. Já foca o olhar e segue-nos o movimento.
Deve manter a amamentação em exclusivo e a Mãe deverá tentar "enganar a pequena" durante a noite de forma a aumentar os intervalos do leite para cada 4 horas (00h - 04h - 08h).
Como ainda apresenta um pouco de icterícia, recomendam-se muitos passeios aos ar livre e muito Sol.
Tudo estava tranquilo até esta mãe ouvir a expressão "Vou encaminhar-vos para um cirurgião pediátrico". E aí comecei a ferver. Tudo porque o umbigo não cicatrizou totalmente e tinha um pedaço de carne não cicatrizada no seu interior o que poderia derivar, no futuro, em sérias complicações. Porém, o querido pediatra repensou e, após meu consentimento, resolveu o assunto no momento e assegurou a pequena intervenção (indolor para a bebé).
Voltamos aos 2 meses.

Mãe

Pouco há para dizer. Tudo cicatrizado e em ordem. Segundo o obstetra (agora, novamente ginecologista) : "Você é daquelas mulheres privilegiadas para quem ter um bebé é como ir às compras". - Não é bem assim Doutor, mas ok, é quase, quase.
Ficou somente a recomendação : tentar dormir!
Volto daqui a 6 meses.

Posto isto, estas miúdas estão bem e recomendam-se.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

A Internet voltou.

E, com ela, volto também ao espaço virtual (até nova interrupção pois isto está instável).
Confesso que, ao fim de uma semana, não me fez tanta falta quanto pensei que faria.
É a prova que, por agora, ainda faz parte dos desejos, e não das necessidades.
Nestes dias aconteceram tantas coisas, dignas de registo. Vejamos se a minha cabeça estará apta a debitar o que a memória reteve (a probabilidade de sucesso não é grande se for dependente das horas de sono...).

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Alcoolicos denunciados.

Ontem, no supermercado, enquanto passávamos no corredor das bebidas.

Eu: Filho, vai buscar um pacote de suminho para ti.
MM: Está bem. (...) Olha Mamã, olha!!! VINHO! VINHO É BIACCC... MAS O PAPÁ GOSTA MUITO DE VINHO! O PAPÁ BEBE MUITO VINHO"*

É claro que estes comentários são sempre pronunciados de forma constrangedoramente alta e têm sempre uma grande audiência presente.

*Não, não bebe. Só para esclarecer.



***********

À noite, no quarto.

Eu: Miguel Maria, vai por favor buscar o remédio (AERO-OM) da Mana.
MM: Qual, Mamã ?
Eu: O remédio do frasco cor-de-rosa.
MM: AH! O VINHO DA MANA.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Aprender o Plural.

Ontem e Hoje.

"Os meus filhos."
"O meu filho e a minha filha."
"As minhas crianças."

Confesso que ainda estou em adaptação ao plural.
Duas cadeirinhas no carro. Dois banhos. Dois mimos. Dois sonos. Dois corações. Duas vidas.

E eu, que ainda ontem, falava só no singular. Que usava kilt e meias pelo joelho e dançava ao som de Doors. Que aprendia a tocar piano. Que aprendia a bordar. Que estudava tanto enquanto os outros se divertiam. Que casava cedo, por imaturidade. Que acabava o curso. Que me divorciava porque queria viver o que me faltava. Que conhecia coisas, pessoas e experiências novas. Que arriscava e fazia o que ainda não tinha feito. Que crescia e me descobria.

Ainda ontem era eu à minha volta.
E hoje sou eu à volta deles.
E sou mais eu. Sem deixar de ser Eu.
Estou a apreender o bom Plural da minha vida.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Com elas? Ou como elas? Eis a questão.

Ontem, depois de regressar do colégio, o Miguel Maria disse-me três vezes que queria ir para o Ballet...
Questionei o motivo, ao que me respondeu:
- "Porque há música! E meninas a dançar."

Agora palpita-me a dúvida. Quererá ele dançar com elas ou quererá ele dançar como elas?

Ai os filhos!
Ai as minhas dores de cabeça!
Ai-que-até-ele-entrar-na-idade-da-reforma-isto-vão-ser-só-preocupações!!!

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Amores assim.


Há duas semanas que se namoram.
Ele é ousado e atrevido.
Gosta de lhe dar beijos inesperados e abraços imprevistos.
Ela é reservada e observadora.
Ainda recatada na expressão, mas já fiel à voz dele.

Eu contemplo-os.
Desejo que se estimem sempre, e muito, durante o resto das suas vidas. 

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Conversas miúdas #8

Tema : Amamentação.

MM #1 - " (...) mas... e isso está quente ??!"

MM #2 - " (...) e também tem leitinho com estrelas* ?" (* leitinho com estrelas = leite com ovomaltine)

MM #3 - "Cuidado para não entornar, está bem Mamã ?"


Na sala de espera, do pediatra mais cascense de Cascais, enquanto eu amamentava discretamente a Teresinha envergando o meu giro, moderno e útil nursing cover , um pequenino desafia o MM para a brincadeira, ao que o meu petiz renspode:

MM #4 - "A MINHA MAMÃ TEM LEITINHO NAS MAMINHAS!!!"

E foi isto dito alto e em bom som, com uma entoação que quase insinuava um "na-na-na-na-na-na, e a tua não!!!".
Acho que é desta que subo para o nível do Noddy, Dartacão e Martim Manhã. Passei, aos olhos do meu filho, a ser uma mãe com super-poderes...

Eu já disse que ser Mãe é ser uma pessoa exposta, não já ?...

domingo, 3 de outubro de 2010

Tempo? Que tempo?

Não sei que horas são.
Só posso responder que a Teresinha mamou há 2 horas e 17 minutos.
Não sei se agora vou almoçar ou jantar.
Só sei que estou a fazer sopinha para o Miguel Maria e ainda vou fazer o prato preferido dele.
Se tomei banho de manhã ou à noite ? Também não sei.
Sei somente que já mudei 8 fraldas e já meti aquela pilinha a fazer 3 xixis na sanita.
O que dá na televisão?
Não faço ideia. Mas posso dizer que no quarto da esquerda se fala sobre tractores, letras, números e músicas e, no da direita, se desinfectam umbigos e se canta canções de embalar.
Se é noite ou dia?
Não me atrevo a tentar. A minha certeza é que com o braço esquerdo amamento a Teresinha e com o direito visto o Miguel Maria.

_______________________
No pacote da austeridade haverá alguma medida que devolva tempo às mães ?...
É provavel que não. Ainda nos quererão é tirar mais.


PS: À família e amigos, fica o meu pedido de desculpa pelo atraso na resposta a mensagens ou devolução de chamadas perdidas. Conto, em breve, reencontrar o tempo e, aí sim, reencontramo-nos todos.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

O Parto.



Faz hoje uma semana que a Maria Teresa saiu da minha barriga e enriqueceu a minha vida.

Posso dizer que o trabalho de parto emocional se iniciou uma semana antes. Na 6ª feira, dia 17 de Setembro, quando o obstetra afirmou que, salvo novidades, o parto seria induzido na 5ª feira, dia 23, nesse preciso momento, o meu coração e a minha cabeça começaram a latejar. Foi uma semana de emoções fortes e díspares.

No dia 23, 5ª feira, às 08 da manhã, apresentei-me, com o pai, para fazer o check in e dar inicio à indução. Como afirmei, a minha cabeça já estava em trabalho de parto e o que sinto é que eu já estava numa outra dimensão. Temia muito mas ansiava tanto. Não me expressava muito, respirava fundo e, quando assim é, significa que já estou em contenção de nervos.

Fiz toda a preparação clínica e o obstetra  deu o "GO". Faseadamente, estimularam-me manualmente o útero,  administraram-me o gel, romperam-me as águas e apostaram forte na oxitocina. O pai transmitia uma calma aparente e dizia-me que tudo correria bem e mais rápido do que eu previa. Com algum desconforto mas ainda tolerável, coloquei a família a par (por sms) e conversei com o pai.

A diltação evoluía bem. E as contracções também. Deixei de ter tolerância para o telefone, para a TV e até me escaparam muitas tentativas de conforto do pai. Administraram-me a epidural e tudo voltou a parecer fácil. A dilatação continuava mas as dores sentia-as a meio (tal como é comum acontecer, a epidural não funcionou em uniformidade). Eram 12h30 e o efeito desfez-se por completo. Todo o pessoal médico que me assistia estava a almoçar. Foi uma hora e meia a torcer (literalmente) a camisa do pai. Ele bem me tentava dar a mão e dizer-me para respirar mas, a dor do meu útero a ser torcido era descarregada ao torcer a camisa dele.

Ao monitorizarmos o CTG apercebemo-nos que o coração da Maria Teresa começara a sofrer oscilações muito grandes. Fiquei assustada. Entretanto a Equipa regressou de almoço (13:50). O obstetra constatou o mesmo e decidiu agir. Ao fazer o toque verificou que ainda faltava para os 10 dedos de dilatação mas não poderíamos esperar mais. Ordenou a equipa que me levasse de imediato para o bloco para ser feita a cesariana, de emergência.

Os momentos seguintes foram muito aflitivos e angustiantes e, como tal, são para os deixar lá e não aqui.

Às 14:10 (somente 20 minutos depois de se ter detectado a possibilidade de risco), a Maria Teresa nasceu. Saudável, perfeita e muito amada.
Tudo ficara, entretanto, bem. Ao abrir o útero o obstetra deparou-se com todo o cordão umbilical (50 cm) enrolado a tapar a cara da menina, impedindo-a de respirar e gerando aquele ritmo cardíaco problemático. Ao ser feita a extracção, tudo ficou bem. Tudo ficou maravilhoso.

Consigo relatar detalhadamente todos os episodios desse dia, mas faltam-me as palavras para descrever o que é, pela segunda vez, receber um filho nos braços que nos sai da barriga, onde cresceu e se desenvolveu por 9 meses. Transcende qualquer minha capacidade de comunicação.

Tive desconforto, tive dores, tive medo. Sim. Mas digo que foi perfeito. Perfeito. Face ao retorno, afirmo até que foi fácil. Passaria por tudo, todas as vezes necessárias só para a ter comigo, aqui, agora e sempre.

O pai foi perfeito.
Insubstituivel.

O médico foi de um profissionalismo impar.

Este foi o segundo dia mais feliz da minha vida.
Dizer que foi uma experiência sublime, é pouco. Muito pouco

domingo, 26 de setembro de 2010

Teresinha.


Se a felicidade se definisse numa imagem...


* Obrigada a todos pelo carinho e mensagens.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Para vocês, filhos.

Maria Teresa,
Podes vir.
Estou nervosa, estou cheia de medo mas, mais que tudo isso, anseio por saber-te saudável e perfeitinha. Poderia enumerar múltiplos desejos, variados planos mas, neste momento, só me concentro em te colocar neste mundo, com saúde e toda a perfeição que as crianças merecem.
Vou dar o meu melhor, por e para ti. Sempre.

Miguel Maria,
Que nunca sintas que a Mamã se dividiu. Que entendas que se multiplica.
Que se decidi re-experimentar esta pontente sensação da maternidade foi porque tu, mais que algo ou alguém, me fez sentir feliz e realizada. Fizeste-me descobrir que ter bebés é algo maravilhoso e que existe amor incondicional.
Continuarei a dar o meu melhor, por e para ti. Sempre.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Indutores de tranquilidade.

Indutor 1

Eu: "A escolinha correu bem?"
MM: "Sim."
Eu: "O que fizeste hoje?"
MM: "Hoje o Miguel Maria vomitou a sopinha. E hoje eu chorei muito... Ah, e hoje também vomitei a gelatina."

Indutor 2

Minha Mãe: "Não sei como consegues estar tão calma... Eu, se estivesse prestes ter outro filho, estaria numa pilha de nervos."  *, **
Eu: "Obrigadinha..."

*A minha Mãe é muuuuito distraída;
** Eu sou muuuuito discreta.

38 Semanas.


Terminámos as 38 semanas.
Eu e tu estamos a terminar esta, ora já tão longa, ora ainda tão curta, viagem da gestação.
Fisicamente, não estou cansada, não estou saturada, não estou inchada e nem sofro de qualquer desconforto maior.
Psicologicamente, estou a ficar nervosa, inquieta e impaciente.

Esta deverá ser a nossa última semana de gravidez e, tal como aconteceu na gravidez do Miguel Maria, provei um verdadeiro estado de graça. Um estado que sinto como absolutamente natural e reconheço que sou uma privilegiada por tal. E estou grata por isso.

E agora fico à espera. E sei que está quase.
E estou com medo. Mas desejosa de te ver ao meu lado.
E estou assustada. Mas ansiosa por te ter no meu colo.
Estamos prestes a deixar de ter uma barriga por entre as nossas mãos e eu só desejo que tudo corra bem.

sábado, 18 de setembro de 2010

Fosse assim tão fácil.

Ontem à noite, depois do jantar, saí para a habitual caminhada.

MM: "Onde vais Mamã?"
Eu: "Vou à rua, filho. Não demoro."
MM: "Porquê?"
Eu: "Para andar e ajudar a mana Teresa a sair da barriga."

Hoje, depois do almoço (para compensar, uma vez que logo à noite terei um aniversário e não cumprirei o exercício).

MM: "Vais à rua Mamã?"
Eu: "Sim filho. Para ajudar a mana Teresa a sair. Não demoro."

Agora ao entrar em casa, oiço a vozinha dele, já deitado na cama para a sesta, dizer-me :

"MAMÃAAAAA, a mana Têja já saiu ??????"

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Agora é que vão ser elas...

Resultado da consulta de hoje : tudo muito bem, tudo impecável mas não convém esperar muito tempo mais devido à cesariana prévia (e não esforçar demasiado o útero com mais tempo de gravidez, útero que se quer apto para se avançar para o parto normal).

Posto isto, ou a princesa decide fazer check-out por sua iniciativa durante a próxima semana, ou partimos para a indução (Ai!).

Considerando o tanto que já li e ouvi (demasiado, convenhamos) sobre induções depois de cesarianas, acredito que seja algo pouco agradável, vá, horrível (Ai!). Assim, tenho uma semana pela frente para convencer a minha menina que, foi bom, mas a estadia está no fim...

E agora vou, pois tenho mesmo muito, muito para fazer nos próximos dias:

- Aumentar a minha caminhada nocturna e incluir alguns níveis de dificuldade (escadas, por exemplo);
- Esquecer-me de algumas coisas no carro e, com isso, descer e subir várias vezes a escadaria do prédio;
- Armar-me, finalmente, em fada-do-lar e passar-a-ferro, lavar vidros, aspirar e tudo isso que é tão giro...;
- Muito sexo;
- Banhos quentes;
- Comida picante.

Todas as sugestões, cientificamente comprovadas pois não tenho muito tempo a perder, serão bem-vindas.

PS : Nunca pensei empenhar-me na busca da dor... Este fenómeno da maternidade é muito maluco mesmo. Por vezes, insano.

Não é fetiche.

Neste momento, só me passa pela cabeça :

Umas mãos, fortes e musculadas, a calçarem luvas de latex e uma voz masculina a sussurar-me : "Agora, descontraia...".

E vai esta cena vai rodar daqui a duas horas, num hospital perto de mim.
Não é fetiche, não. É ME-DO.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Preliminares.

Mãe e Pai: "Miguel Maria, já falta pouco para a Mana sair da barriga da Mamã. Por isso, a Mamã terá que ir uns dias ao hospital e não fará ó-ó em casa. Mas o Miguel Maria irá lá dar beijinhos à Mamã e depois trará a Mamã para casa."

Miguel Maria: "Está bem... Mas o Maria vai com a Mamã para o pistal. O Maria fica com a Mamã no pistal."

Mãe e Pai: "O Miguel Maria irá ao hospital sim mas, durante uns dias, a Mamã ficará a fazer ó-ó no hospital e o Miguel Maria fará ó-ó em casa."

Miguel Maria: "Nã, nã. O Maria fica com a Mamã no pistal. O Maria diz."

___________________
Vai correr bem, vai...

terça-feira, 14 de setembro de 2010

37 Semanas.


Esta idade gestacional, 37 semanas, tem um significado especial para mim pois foi quando o Miguel Maria nasceu. Por um lado, isso indica que efectivamente esta viagem está a chegar ao fim e, por outro, que a gravidez daqui para a frente será, em quase tudo, nova pois nunca estive grávida de 37s +.

Como dita o eterno feminino, estou incoerente. Às vezes sinto que está mesmo quase (e a efeméride de hoje realça isso mesmo) mas, também me parece que ainda falta... Que esta  bebé está tranquila onde está e não tem pressa. O meu corpo dá alguns sinais, porém, parecem-me muito ténues e parece-me ainda tudo muito estável.

É-me dificil acreditar que, muito provavelmente até ao final do mês (2 semanas, portanto), darei à luz. Mas, sinto também uma imensa, crescente vontade de ter sobre mim, e não dentro, este ser, esta filha, esta menina.

Conforme escrevi, estou incoerente.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Objectos inconfessáveis.

Levo um, na mala da maternidade.
Como todos vós são gente de bem, eu confesso este : uma cinta. Uma cinta inestética, tortuosa e pouco desejável. Quase um artefacto beligerante com poderes de tortura medieval.

No dia em que tive alta, após o nascimento do MM, investi todas as minhas forças e oxigénio a tentar enfiar-me dentro dela. Aliás, minhas e do pai que, em muitos momentos, temeu pelo meu risco de asfixia e tentou, com um ar muito impressionado, demover-me da intenção de saída do hosital em modo apneia, ao que eu, quase irada, respondia apenas :"APERTA!". A verdade é que o meu acto de masoquismo durou fracções de segundos e optei pela vida. Desapertei e respirei. Três dias depois, voltei à luta e ganhei.

Odeio-a e amo-a.E, uma vez mais, segue na mala.
Estas relações amor-ódio fascinam-me.

domingo, 12 de setembro de 2010

Técnicas de insuflação, ou o Iogurte cocktail.

Já confessei as minhas múltiplas tentativas de engordar o meu maravilhoso, encantador, perspicaz, bonito e inteligente, MAS insistentemente magro, filho. Esta é a tentativa # 345 e dá pelo nome de iogurtes homemade altamente calóricos.

Ingredientes:
Leite Gordo | 800 gr
Leite em pó Nido | 1 copo da Bimby ou 35 gr
Açúcar | 100 gr
Iogurte natural | 1

Confecção:
No copo da Bimby juntar o leite, o açúcar e o leite em pó: 3 min, temp 50º, vel 4.

Junte o iogurte: 15 seg na vel.4 (sem temperatura).
Distribuir por copos e levar à iogurteira por 8-10 horas. Findo este período, passar para o frigorífico e estão prontos a consumir ao fim de 3 horas.

*No fundo dos copos poderão adicionar-se outros sabores complementares: Nutella, doce de morango, tartelettes de laranja e chocolate, etc.

Danone,
proponho uma parceria. Com um objectivo propocionalmente contrário ao Corpos Danone, proponho o meu Corpulentos Danone. De agrado ?

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

CTG & Toque | 1


O programa de festas do último mês de gravidez, começou.

O útero já iniciou actividade, porém, registam-se ainda contracções ligeiras (apenas uma a atingir os 30%) e irregulares.
O ritmo cardíaco da bebé está dentro da normalidade mas a movimentação dela já está a sossegar, pelo que, devo passar a contabilizar os 10 movimentos diários num período de 12h (caso não se verifiquem devo contactar o obstetra).
O toque acusa um colo de útero ainda verde.
Os valores de açúcar e colesterol estão criminosos! O médico desvalorizou por se tratar do fim de gravidez e por enquadramento com os restantes indicadores que, segundo ele, estão "fantásticos". Ainda assim, alguma contenção não me fará mal nenhum...

Resumindo, o médico diz que estou impecável, que se prevêem mais duas semanas com bebé em fase de estágio, mas para me mentalizar que estamos no fim.
Daqui a uma semana, take 2.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

36 = 9

Ontem, quando saí para a borga, sentia-me grávida de 3 meses.
Hoje (sim porque já era hoje), quando regressei da folia, sentia-me já grávida de 10!
Ter-se-iam passado 7 meses numa noite ?...

A verdade é que, quando entrei em casa, muito silenciosamente, pude ouvir todos os indicios do meu corpo (o cansaço, as dores nas costas, a sensação de azia, pois fiz questão de as acompanhar nos líquidos, elas com néctar dos deuses e eu com néctar da Compal, claro), e aí esmiuçei o conceito das 36 semanas, ou seja, entrada no nono mês.

Estou bem. Estou impecável.
Mas, estou também, a ficar com AQUELE medo.... Ai!

terça-feira, 7 de setembro de 2010

36 Semanas


E, às 36 semanas, a mala está finalmente preparada.
Sinto-me impecável e isso leva-me a crer que o parto ainda está distante mas, na verdade, o MM nasceu de 37 semanas.

Na próxima 6ª feira tenho consulta e o obstetra logo dará o prognóstico. Entretanto, tenho uma série de coisas para fazer e que têm que ser feitas já, pois no mês que vem estarei com alguma dificuldade em gerir agendas.

Assim sendo, amanhã começo a ronda : Almoço com a E., na 5ª com a L. e, na 6ª, com a A. E agora vou arranjar-me pois tenho uma ladies night com as minhas primas. Oxalá a Maria Teresa não se entusiasme e não queira participar do convívio In Locco.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Com os pés bem assentes na Terra,

...se inicia um Projecto.


PS - Sim minhas amigas (as que me conhecem demasiado bem), não se trata da Av. da Liberdade, nem do Chiado, nem de Belém, nem do Parque das Nações, nem de Cascais ou Estoril. É terra, mesmo. E sou eu, lá. E sou eu com botas de borracha, certo...

domingo, 5 de setembro de 2010

A minha contagem.

A contagem, para aquele que desejo que venha a ser o segundo Natal da minha vida, começa hoje.
No final desta caixa, as minhas emoções estarão todas desembrulhadas.
Acabei de comer o primeiro chocolate. Faltam trinta ou, muito provavelmente, menos.

sábado, 4 de setembro de 2010

Conversas miúdas #7

No supermercado, na zona dos legumes.

MM: "Mamã, mamã, olha!!!! Mamocas!!!!" (Alto e em bom som e de dedo espetado para uma senhora).

Eu olho e vejo a senhora, a olhar seriamente para o MM e curiosamente, ou mesmo por obra do destino de infortúnios maternais, com umas proeminentes "mamocas". E aí, eu tento esclarecer :

Eu: "Sim filho, são MOSCAS! As MOSCAS andam aqui à volta da fruta e dos legumes. Que marotas MOS-CAS!".

Para o MM, moscas são mamocas (por mais repetições correctas que já o tenhamos obrigado a fazer). Resta-me aguardar o fecho do Verão e, com este, a ida das moscas para longe das minhas vergonhas...

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Este nariz cheira-me a chatices!

Cheguei hoje ao Colégio para levar o MM a uma consulta de otorrinolaringologia, para avaliação das veias nasais quando me deparo com o seguinte cenário : nariz todo esfolado!

- "Como pode ser ?!?! Ele tem que ser observado e, preferencialmente, ter o nariz num estado que permita a boa observação." - Pensei e confrontei a Educadora.
- "Foi no parque Mãe... Ele foi a correr para o baloiço e a Francisca, que estava em movimento, acertou-lhe. Deitou um pouco de sangue e chorou, mas rapidamente voltou a brincar e a estar bem-disposto."
- "1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, ...." (as Mães fartam-se de contar, evitando tornarem-se animais agressivos!).

Seguimos para o médico, esperando que, embora todo esfolado, o MM facilitasse a observação.
A consulta correu muito bem, graças a um comportamento exemplar do paciente e a uma atitude mestra do médico.

Resultado : veias muito finas e susceptiveis de rebentar. Uma vez que ainda é muito pequeno e dada a espessura das veias, não será recomendável laquear já, faremos nova avaliação no próximo Verão. Até lá, colocar gotas de soro com frequência e, em caso de hemorragia, recorrer a um pedaço de algodão com soro, como efeito-tampão e, em simultâneo, pressionar a narina. Isto com a criança na posição vertical.

Posto isto, torno-me uma mãe graduada em áreas multidisciplicares, no que à saúde infantil diz respeito : Bronquiolites, domino; Gastroenterites, arraso; E, em breve, hemorragias nasais, extermino!

E, por isto também, ser Mãe é uma contínua demanda do Saber...

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Que a tua dor fosse a minha.

Hoje o Miguel Maria regressou ao Colégio, ao fim de um mês de ausência.
Um mês em total presença dos pais, com dias divertidamente preenchidos, com muita atenção exclusiva.
Hoje ficou a chorar. Eu não vi e nem ouvi (pois estava no hospital a fazer análises e foi o pai quem o levou), mas doeu-me. Quando o fui buscar, a velocidade com que correu para mim, o sorriso tão aberto e brilhante e a força com que me apertou... Doeu-me. Doeu-me pois, nesse instante, percebi o quanto teria sido dificil para ele, este dia.

Agora à noite, enquanto lavavamos os dentes, chamou-me. Olhei para ele e tinha a cara a escorrer sangue. Novamente uma hemorragia nasal. Mas grande, enorme, interminável. A princpio mantivemo-nos calmos mas o cenário impressionantemente encarnado começou a assustá-lo (e a enervar-me) e começou a chorar. Passei-o para o colo do pai e troquei as toalhas brancas por uma toalha de banho escura de forma a mascarar (para ele e para mim) a onda de sangue. Liguei para a Saúde 24 e segui as indicações (a saber : não lavar e pressionar as narinas da criança durante 5 a 10 minutos - o que, sendo uma criança de 34 meses, é muito complicado). A hemorragia foi travada, finalmente. Escondi rapidamente as toalhas e mudei-lhe a roupa. A sua carinha, ainda assustada, doeu-me.

Foi um dia dorido para o meu pequeno e, nenhuma dessas dores eu pude ou, alguma vez, poderei evitar. Só posso esforçar-me por lá estar, no final do dia de escola, ou a dar-lhe a mão durante um corte. Mas não posso absorver todas as suas dores e libertá-lo de tais.

E é esta é uma das grandes angustias da maternidade, a crueldade de vermos sofrimento na cara, no corpo, no coração dos filhos e restar-nos o acto de dar amparo.
Hoje, dar amparo, foi para mim tão pouco. Mas será sempre.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

35 Semanas.

(Imagem removida)

Amanhã entramos na 36ª semana de gestação.
Amanhã começa Setembro.
O "Amanhã" chegou mesmo depressa...

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Em directo, no condomínio.

Desde o regresso das férias que me esforço por, quase todas as noites, depois do jantar, dar uma volta ao condomínio (o que implica subir algumas rampas desagradáveis). Uma vez que os domingos têm estado ocupados com programas vários (outrora, manhã de caminhada) e a hidroginástica está suspensa por motivo de férias, procuro dar algum exercício regular aos músculos e, dado as altas temperaturas dos dias, o período da noite parece-me ser o mais aprazível.

Acontece que, em todas as noites que caminho (num estilo muito próprio, convenhamos, chamar-lhe-ia um andar à pato, embora com um enorme esforço por manter uma postura normal), me deparo com as mesmas pessoas : a senhora solitária na varanda, enquanto o marido na sala vê a Sport TV; o casal de lésbicas que cumpre o ritual do cigarro pós jantar; o macho man que fala alto ao telefone, na janela, enquanto a mulher lava o chão; os amigos do alheio, que se encontram no café e se sentam na esplanada para falar dos desvarios da vida.

Eu. Todos eles. À mesma hora. Quase todos os dias.
Todos cruzamos olhares. Eu penso o que escrevi.
E eles... Eles transmitem-me uma mensagem uníssona : "Esta maluca anda a abusar.... Um destes dias ainda  pare em pleno condomínio e estamos todos metidos numa cena.... estranha!".

Caros Condóminos,
se me lêem, prometo que não. Sou uma miúda discreta. Dizer asneiras, beber alcool em excesso e ter bebés na via pública, não faz parte do meu show.
Com os meus melhores cumprimentos,
Inês.

sábado, 28 de agosto de 2010

Haverá melhor ?

MM: "Mamã, toma. É pa'ti."
Eu: "Obrigada filho. Que desenho tão bonito."
MM: "É um coração. O Maria fez."


Melhor do que isto?
Só mesmo dois corações.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Sketch nocturno.

02h00 - Deito-me.

03h00 - Acordo com vontade de fazer xixi. Penso na logística para me levantar (virar a barriga para o lado de saída da cama, arrastar todas as almofadas entre-pernas, apoiar-me na mesa de cabeceira) e desisto. Acho que aguento.

03h15 - Estou mesmo aflita. A bebé não pára sossegada e pressiona. Não dá para aguentar. Faço o movimento calculado de ancas, arrasto as almofadas entre-pernas, apoio-me na mesa de cabeceira.

03:20 - Já me levantei e consegui chegar à casa-de-banho.

03:21 - Volto para a cama. Procuro a melhor posição. Encaixo as almofadas.

03:25 - Perdi o sono. Tenho fome. Aliás, a bebé tem fome pois esta não é uma hora para se ter fome, mas para se ter sono! Tento ignorar. Não tenho sono. Tenho fome. Levanto-me novamente.

03:45 - Estou na sala, a ver filmes da tanga, a beber leite Nido com Ovomaltine e a comer bolachas Maria com manteiga. A bebé rejubila com o reforço calórico e não pára quieta.

04:15 - Deito-me. Procuro a melhor posição. Encaixo as almofadas.

05:00 - Adormeço.

06:00 - Acordo com vontade de fazer xixi... (Neste momento, caro leitor, por favor volte ao primeiro ponto deste Sketch).

terça-feira, 24 de agosto de 2010

34 Semanas.


Estamos assim, no fecho das 34 semanas.

Para o registo :
- Tenho tido um número crescente de contracções de Braxton-Hicks (não dolorosas mas, discretamente a tornarem-se desconfortáveis);
- Noto uma grande diferença na minha resistência pois, ao fim de uma curta caminhada, sinto logo um peso imenso no baixo ventre (penso que, esta semana, a bébé terá descaído um pouco mais) e que começa a limitar ou impedir o meu ritmo habitual;
- A produção do colostro iniciou-se;
- Tenho os sonos definitivamente trocados (a natureza bem sabe o que faz e está, com a devida antecedência, a reajustar os meus horários biológicos.);
- Ando mais gulosa (mais ?!), e com muito mais dificuldade em controlar os ímpetos de gula - sem dúvida que a rapariga está agora a apostar no reforço da camada adiposa;

À parte destes desconfortos, naturais para o tempo de gestação, sinto-me muito bem. Nem sequer tenho a sensação de estar grávida desde sempre como, muitas vezes, nesta altura, acontece a muitas grávidas.
Estou no meu timing e estou confortável com ele.

Para ti, pequena, que aí estás dentro : começo a sentir vontade de te ver, de te mexer e de te cheirar.
Falta um pouco ( 5 semanas?...) mas, o meu instinto, já apela para estes sentidos.

Ele merece um Óscar.


O meu actor principal, o ilustre pequeno rapaz, Miguel Maria, desempenhou na plenitude o seu papel de espectador da sétima arte. No meio de tão rica programação cultural, à qual nos temos submetido intensamente há cerca de duas semanas (Oceanário, Planetário, Museus, exploração de pomares, etc), hoje repetimos o cinema (no qual o MM se estreou na semana passada) mas, desta vez, em 3D. E ele brilhou. Portou-se exemplarmente, e isso é digno de registo para os seus dois anos e meio.

De ressalvar a qualidade da animação, o Shrek e, hoje, o Toy Story. Ambos brilhantes, com mensagens passadas de forma extremamente inteligente mas, este último, com detalhes de criatividade inigualáveis. Não poderia ter feito melhores escolhas para a iniciação do MM no cinema.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Então e não te cansas, Mãe?



Sim, claro.
Porque é sangue que me corre nas veias, não tinta de caneta.
Porque são músculos que me cobrem os ossos, não folhas de papel.
E hoje sinto-me particularmente cansada. Tenho acompanhado os rapazes nas voltas, tenho-me desdobrado para conseguir as mil formas dos papéis que represento na sociedade mas também tenho sentido falta de mim - o que é especialmente difícil de gerir para alguém que sempre foi extraordinariamente egoísta, individualista e independente.

Mas, no final do dia, vejo-te dormir filho, ou sinto-te na barriga filha, e faço o balanço. E não, não mudaria as minhas escolhas. E assim, esta é uma outra grandeza exclusiva da maternidade, alinha as mais desalinhadas.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

33 Semanas


33 semanas completas.
Mexes-te um pouco menos. Conforme ditam os boletins, estarás maior e com menos espaço para acrobacias. Porém, já distingo bem os teus soluços, toques de pés e o teu espreguiçar.
O facto de andar a tratar das tuas coisas, torna-te ainda mais real. Até esta altura tens estado na minha vida como "a bebé na barriga" e, nestes últimos dias, passaste a ser referenciada como "a bebé que vai chegar" e isso, por mais subtil que pareça, é determinante. Ao fim de 33 semanas surpreendo-me a pensar que vou ter mais um bebé na minha vida. E isso é sublime, para mim, como mãe, mulher e ser humano capaz de renovar vida.

Faltam, no máximo, 7 semanas.
O facto de já ser mais fácil fazer a conta ao contrário, provoca-me um arrepio de ansiedade e medo e, simultaneamente, um suspiro de felicidade e tranquilidade.

domingo, 15 de agosto de 2010

Ser Mãe também é... #6


Adivinhar as formas dos cocós.


MM: "Mamã, o que é isto?" - Olhando para o bacio.
Eu: "É o teu cocó, filho."
MM: "Não Mamãaaaa!!!!!!!!!! É o avião do Mickey! Não vês ?????"

E é sempre isto.
A experiência faz-me agora saber que habitualmente se trata do Avião do Mickey, Camiões ou Nuvens.

sábado, 14 de agosto de 2010

Consulta e Ecografia das 32.

Estamos bem.
O destaque vai para o despiste relativamente ao peso da menina (que, pelos antecedentes, eu temia que fosse abaixo da média) e que está au point. Esta vida que vive em mim tem já 1,785 Kg de corpo e, segundo o obstetra, umas longas pernas. E giras, acrescento eu.

A sua cabeça empurra-me o ventre, as suas mãos coçam-me o umbigo e os seus pézinhos dançam pela minha costela esquerda.

O inicio do Outono aproxima-se. E tu.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Voltámos!

E foi bom. Mesmo bom!
Fizemos de tudo um pouco mas os factores descanso e diversão foram determinantes para a escolha de todas as actividades.
Beneficiar da companhia da família foi um luxo e os dias tiveram sabor a mimos do Pai e as noites a massagens da Mãe. As graças foram de autoria do Mano MM. (do lado da Mãe), e as conversas de verniz partilhadas com a Mana M. (do lado do Pai). O Mano M. (do lado do Pai e da Mãe) fez-nos rir com as preocupações do seu mundo. O Padrasto assegurou a tecnologia e as infraestruturas necessárias à diversão e a Madrasta foi o ponto de ligação com o resto do Mundo (família sui generis a minha, não ?).
A casa do Algarve sabe-me sempre a Natal no Verão.

(Imagem removida)

Foi bom.
Mas, confesso que chegar a uma Lisboa praticamente sem trânsito, onde se pode estacionar e passear sem pressa, também me está a saber muito bem.

domingo, 1 de agosto de 2010

quarta-feira, 28 de julho de 2010

O anti-climax do Veraneante.

Cheguei hoje ao Algarve para, desejada e supostamente, desfrutar de umas férias de duas semanas.
Bom. Muito bom.

A parte da entrada da casa, jardinada, está com uma praga de pulgas.
Mau. Muito mau.
Fomos a centros de jardinagem e a espaços comerciais dedicados e dizem que outros já lá estiveram recentemente com o mesmo problema. Que é uma praga que aqui veio passar férias.
Talvez esta pulga seja a concubina deste mosquito.
Péssimo. Catastrófico.
O efeito psicológico é tramado e já toda eu me coço ao mesmo tempo que penso no meu modesto, temporário, pouco versátil, sem muito charme, não personalizado, sem estória, actual apartamento alugado e suspiro...

terça-feira, 27 de julho de 2010

30 Semanas.


Esta semana foi pautada por um crescente interesse do MM pela "Mana Têja".
Talvez por eu, finalmente, ter começado a organizar algumas coisas, seleccionar e lavar roupa e termos comprado o berço. Surpreende-me com assaltos de carinho e ternura e, espontaneamente, inclui a barriga nos jogos de afecto.

Eu estou visivelmente maior. Tenho algum desconforto a dormir e o calor  tem sido um duro obstáculo a superar durante o dia. Mas isto são pormenores. O meu pormaior são eles.

Males maiores II.

É oficial.
O Homem mais mal passado-a-ferro do distrito de Lisboa, é o meu.
Vá lá que eu sou rapariga para ter muitos outros talentos e ele continua giro, com bom aspecto e sorriso aberto.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Males maiores.

Tive que dispensar a empresa que prestava serviços de limpeza cá em casa e, neste momento, tenho um novo desafio : encontrar alguém honesto, disposto a trabalhar e justo na cobrança de valores. Tenho procurado e procurado e o que tenho encontrado são anúncios vazios, telefones que não atendem ou outros que dispensam marcações de entrevista por se encontrarem de férias, no desemprego, mas de férias.

Nunca fui uma fada-do-lar. Aproximar-me-ia bem mais de uma bruxa-do-lar. Sou rapariga prendada ao ponto do ponto de arraiolos e ao nível da haute-cuisine , no fundo gosto é de arte e não consegui ainda encontrar estímulo artístico num aspirador ou numa esfregona, para os quais não reúno competência nenhuma. Talvez o mal seja meu e não esteja a ser suficientemente criativa. Talvez.

Considerando que ainda estou em casa, desenrascar-me nas tarefas domésticas parece-me ser, neste momento, um mal menor.

Considerando o calor de 41º, uma barriga de 7 meses e alguns Himalaias de roupa para passar-a-ferro, parece-me que estou diante de um mal maior. Mal esse que quase me faz quebrar e arrepender de ter dispensado uma empresa incompetente.

Resta-me, por agora, passar-a-ferro, cheia de dignidade. E cheia de desânimo.

sábado, 24 de julho de 2010

Consulta das 29 Semanas.

Para começar, a saudação inspiradora logo à entrada do gabinete : "Maria Inês, está quase, hein! Basicamente é só passar o período de férias!". Pois é Doutor, pois é! (MEDO e Vontade!).

Segundo a opinião do médico, tudo impecável : aspecto geral , pernas (varizes), posicionamento do útero (por apalpação) e peso.

Mas, como todas as grávidas apreciam uma boa paranóia, eu não poderia sair de lá sem a minha : não aumentei de peso este mês! O médico delirou de tão feliz, mas eu fiquei deveras apreensiva... E se tenho comido bem, óh se tenho. Mas também me mexo bem, é um facto. A questão é que tenho um antecedente de bebé de baixo peso e isso, por mais que não queira, assombra-me. Como querido que é, o médico, que não me pretende ansiosa e respeitando a minha preocupação com o ACIU (Atraso no Crestimento Intra-Uterino), decidiu antecipar a que será, supostamente, a última ecografia, e passa das 34 para as 32 semanas.

Tal como já suspeitava, a minha Maria Teresa já deu a volta (MEDO e Vontade, novamente).

E agora vou ali comer uma pratada de massa, e um geladinho e uma frutinha que é para, assim, vir da próxima consulta com a paranóia contrária, a de ter aumentado excessivamente de peso.
Nós, mulheres, somos esquisitas mesmo.

______________
*É incrivel, mas ando sem tempo para a Blogosfera! Este Blog anda uma penúria, pobrezito!Se me decidir por ficar em casa na engorda, logo escreverei mais e passearei mais pelos Blogs amigos do costume!

terça-feira, 20 de julho de 2010

29 Semanas

Esta noite sonhei contigo filha. Mas, como ponto de honra dos sonhos de grávida, sobretudo de último trimestre, o sonho tinha alguns apontamentos menos bons, ou hilariantes mesmo : 1 - A Mamã passou-se com o médico, em pleno trabalho de parto, e o Doutor deu uma bofetada que levou a Mamã à inconsciência ( vergonha ); 2 - O Papá disse que a Mamã tinha sido tão má que deveria pedir desculpa a toda a Equipa que assistira no parto ( embaraço mas revolta também!); 3 - Tu tinhas duas marcas na carinha (superstição : a Mamã usa muitos cintos, pois é muito vaidosa e gosta de andar bonita, e é, muitas vezes, chamada à atenção com o dizer popular que dita que os cintos em barrigas de grávidas marcam a cara dos bebés - o que, a Mamã, ignora sempre).

Mas filha, tu, tu eras linda! Morena e com um lindo cabelo negro (tal como o Mano), e muito rechonchuda (aqui, nada como o Mano). Acordei e apeteceu-me tanto, tanto, ter-te cá. Tanto.


domingo, 18 de julho de 2010

Construir uma casa.


Deveria ser como brincar com Legos. Começar por organizar as peças por cores (isto tratando-se de umA empreiteira), pensar no número de janelas e na disposição das flores no jardim. Mãos à obra e perlim-pim-pim, chave na mão!

Mas não é assim. E eu chego a acreditar que o destino me reservou o encontro de uma gravidez com a projecção de uma casa, afinal uma mulher grávida é, obrigatoriamente (não voluntariamente), uma mulher paciente : esperamos que os enjoos passem, esperamos completar o terceiro trimestre, esperamos pela próxima ecografia, esperamos pelo movimento do bébé, esperamos pelo resultado das análises, esperamos pelo parto, esperamos, esperamos, esperamos....

Seria suposto lançarmos o primeiro tijolo em Julho. Mas não. A telefonista, a secretária, o contabilista, o Assessor e o Exmo. Senhor Presidente de Câmara estão de férias e, portanto, não resta ninguém para assinar o papel do papel do papel do papel do papel do papel do papel do papel do papel que nos falta...

Boas férias, sim? Ah, e aquando do regresso, pensem no conceito "Delegação de Tarefas", não desprestigia ninguém, garanto, aliás, destaca bons líderes.
Ide para o Sol enquanto eu, espero, pois claro.

sábado, 17 de julho de 2010

28 Semanas (Já com algum atraso.)

Estamos assim ! Ou melhor, estávamos pois agora estamos bem maiores, após uma semana de férias. MM incluído, afinal as experiências de férias fazem-no crescer em vida e em altura (peso é que já não é com ele).


7 meses e nem roupa lavada, nem preparativos para a mala da maternidade, nem berço comprado. De facto, algumas coisas mudam quando já não se é estreante. Mas o Amor não. Esse não muda nem se relativiza. Esse multiplica-se.

sábado, 10 de julho de 2010

A profundidade da asneira.

A família, na sala, cada um entretido com o seu afazer.

MM: "Fogo pá!" (Depois de se enervar com o brinquedo)
Mãe: "Miguel Maria, a Mamã já disse que dizer Fogo é feio. Não repitas, por favor."
MM: "Mas, Mamã, Fogo não é Porra, pois não?"
Mãe: (...)
Pai: "O miúdo tem razão..."


Pilas!!! Porra, pá!
Fogo.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Sabores incontornáveis.

Maria Teresa,
vamos ter uma conversa.
De mulher para mulher.




- "Já chega! Não queremos ficar gordas e com borbulhas, pois não ?...".

terça-feira, 6 de julho de 2010

27 Semanas.

Fim do segundo trimestre. E com a entrada na 28ª semana estão oficialmente abertas as hostilidades do terceiro trimestre. E que pontuais foram, minhas caras! Um enorme desconforto com o calor e um sono trocado, à noite nada, de dia tudo.

Tem sido tudo tão bom, foi um segundo trimestre delicioso, até mesmo a ciática me deu tréguas (ou afogou-se, lá pela hidroginástica). O segundo trimestre beneficia sempre das virtudes dos meios : superou-se o medo da perda gestacional inicial, o mal-estar inicial esvaí-se, o corpo modela-se de forma bonita, a agilidade mantém-se mas, por outro lado, os sustos de fim de gravidez, os pesadelos, o temido parto e a ansiedade e insegurança finais, ainda ficam a uma distância confortável.

Pois bem. Cá estamos nós, no portão de entrada e sabemos que agora começa a ser a doer.
Último trimestre, acolhe-nos bem, sim? Sê gentil e facilita o resto da viagem.
E agora vamos. Vamos derreter algures por aí!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

É de Homem.

O MM já se aguenta sem fraldas. Isto agora é um desfilar de cuecas giras. Fraldas só se requerem para o sono ou passeios de carro (não vá o Diabo tecê-las...).  
Mas o que eu gosto mesmo é da postura  do pequeno (que cada vez maior). Só faz xixi em pé. É evidente que isto acresce trabalhos para mim pois a pontaria ainda não é certeira. Mas, não abdica. É em pé! E, depois do xixi "RAAAANNNDE" que faz questão de me mostrar, o festejo torna-se obrigatório.

Qual ego masculino altamente massajado depois da prova evidente de virilidade!
Começam de pequenos, está visto. E começam de pé.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

O tempo dos filhos.

                                              

É o melhor que podemos dar aos nossos filhos, o nosso tempo, a nossa atenção.
Mais do que brinquedos, mais do que jogos, mais do que marcas, as crianças rendem-se ao tempo que lhes damos. E não precisa ser muito, não precisa ser caro, precisa somente ser cúmplice, exclusivo e autêntico.
Esta tem sido a grande aprendizagem destas minhas últimas semanas. Já o havia ouvido dizer, já o havia lido, já o havia inclusivamente percebido, mas nunca o constatei de forma tão eficaz e generosa como nestes dias.

O MM tem sido uma criança adorável. Reguila, activo e muito terno. Porém, talvez devido às mudanças a que foi sujeito no inicio do ano (casa, escola, cidade), talvez devido à rebeldia própria dos 2 anos, andava muito irritado, muito arisco e teimoso. E agora não. Retornou à traquinice doce. Voltou a ser o chato, mas obediente. O refilão, mas educado.

O que mudou ? O meu tempo para ele. Somente isso. Ou melhor, tudo isso. Devido à minha actual situação de contingência, dou-lhe um bocadinho mais mas, sobretudo, dou-lhe melhor. E ele, ele retribui-me em dobro.
Eu dou-te o meu tempo, filho, e tu dás-me tudo.
Nada supera a maternidade.

Bom fim-de-semana!

terça-feira, 29 de junho de 2010

26 Semanas.


E já somamos 26 semanas de  Maria Teresa na barriga.

Pontos a reter :

- Esta miúda, tal como o Mano, é uma noctívaga intra-barriga; Suspeito que as paredes do meu útero se assemelharão às do Lux e o pulsar do meu sangue soará a um "Huntz, huntz, huntz..."; Goza miúda, goza o ambiente (tens bom gosto)!;

- Sou levada a crer que a minha costela do lado direito não deveria estar ali, não sei, é um palpite, é que com os empurrões e esticanços que tenho levado, creio que estará no sítio errado e alguma retroescavadora me estará a tentar deslocar a dita para outra região do condomínio;

- A clássica linha escura, que atravessa a barriga, começa a desenhar-se;

- Mantenho a pressoterapia, hidroginástica e caminhada, cada uma à ordem de uma vez por semana;

- Como quantidades de fruta como, nunca na vida, comi; Como quantidades de chocolate como, nesta fase, não deveria comer (MAS, em comparação com o meu ritmo habitual, quase as considero doses simbólicas);

- Já começei a fazer a selecção das peças/objectos/acessórios que passarão do MM para a MT, porém, as lavagens de roupa só penso iniciar às 30 semanas, tal como fiz antes;

- Finalmente, parece-me que a senhora ali de cima, aquela da ilustração, que partilha comigo a evolução semanal da gravidez, continua incrivelmente magra enquanto eu ocupo cada vez mais espaço na imagem. "Companheira, vamos lá a ser uma grávida normal sff, caso contrário ficará sujeita a censura na publicação de imagens futuras. Substitua já a Formas Luso por leitinho, e as barras Fitness por pão com manteiga, estamos conversadas?!".

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Pela night, com MM e D.Barriga

Sábado, 19h.
Mãe : "Vamos sair ?"
Pai : "Vamos."
Mãe : "Filho, o que te apetece fazer ?"
MM : "Andar de combóio."
Sábado, 19h30 saímos de casa.

Ainda sem rumo, optámos por fazer o baptismo de Metro ao MM.
Deixámos o carro em Entre-Campos e rumámos ao Chiado. Mostrámos Lisboa antiga ao MM, ouvimos música de rua, apreciámos uma multiculturalidade de  transeuntes que se passeava como nós. Jantámos. Andámos mais. E uma lua cheia, a servir-nos de bola de espelhos numa pista de calçada tradicional.
Voltámos ao Metro. Voltámos ao Carro. Voltámos a Casa. E isto a horas habitualmente desconhecidas a quatro (Pai, Mãe, MM e Barriga).

É caso para dizer, "Este Sábado fomos curtir a night com os putos atrás!".




Miss Strawberry,
Estivemos n' As Sombras Implícitas e lembrei-me de ti :-).

sexta-feira, 25 de junho de 2010

FAQUIIIIIICA


Eu já escrevi sobre a adicção do meu filho a tudo o que sejam bolas.
Mas não escrevi sobre a sua obstinação pelo FAQUIIIIIIIIICA*.

Vejamos :
- Liga-se a Sport TV : "FAQUIIIIIIIIICA"* - independentemente da Equipa em causa; aliás, independentemente da modalidade em causa;
- Passamos por artefactos alusivos a Portugal (bandeiras, cartazes, etc) : "FAQUIIIIIIIIICA"*;
- Vamos à estação dos Correios : "FAQUIIIIIIIIICA"*;
- Visto-o de vermelho : "FAQUIIIIIIIIICA"*;
- Visto-me de vermelho : "FAQUIIIIIIIIICA"*;
- And so on...

Aliás, existe uma alternativa ao constante "FAQUIIIIIIIIICA"*, que é o "Esseébê, esseébê, esseébê, guoso esseébê, gu-u-oso esse-é-bê!".

Acho que este post (registado aquando dos 2 anos de idade) ilustrará bem, daqui a uns anos, como terá começado a febre vermelha.

*Por favor, ler com entoação melódica, como um vigoroso adepto dos Diabos Vermelhos o faria.


E não, eu não sou do Benfica. Mas já percebi que deverei adoptar a clássica estratégia sogra/nora em prol do filho : Não gosto de ti, mas aceito-te.

terça-feira, 22 de junho de 2010

O meu professor de hidroginástica.

O meu professor de hidroginástica faz sempre um sorriso amarelo quando me vê, eu e Dona Barriga, a entrarmos no recinto;

O meu professor de hidroginástica, a cada 10 minutos, acena-me ou questiona-me se "está tudo ok";

O meu professor de hidroginástica, no final de cada aula, dirige-se a mim e questiona-me se "sinto ou senti alguma dor".

Ou tenho um poder magnetizante sobre o meu professor de hidroginástica.
Ou o homem está absolutamente em pânico, vislumbrando a hipotese de ter de me auxiliar num trabalho de parto em plena piscina municipal.
Inclino-me para a segunda explicação.

25 Semanas

Fecho das 25 semanas.
A novidade mais extraordinária desta semana que passou foi a visualização dos movimentos da minha menina através das deformações esporádicas da barriga. Nem sempre acontece, mas já se vê, a olho nú, a movimentação. E isso é encantador. É vida.

Estou melhor da ciática, no seguimento do abrandamento, ainda assim, foi-me negada a alta para retomar o frenesim. Talvez seja melhor assim. E continuo com tantos planos e tanta coisa na cabeça para concretizar.

A próxima 6ª feira será dia de consulta. E pesagem. Óh, essa maldita! A verdade é que não ando tão "menina do coro" como já andei e já prevejo um sobrolho franzido do lado de lá da balança.

E agora vou nadar! A ver se queimo algumas calorias a tempo de melhorar os resultados para 6ª feira!
Vamos querida, já percebi que estás acordada e a preparar-te para umas braçadas intra-útero.
Vamos juntas, sempre juntas e eu a aproveitar.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

E viva o futebol.


Até eu, que não sou adepta fervorosa do desporto, esboçei um perfil de orgulho com o resultado de hoje. Sou muito patriota, sempre fui e, mais do que a vitória do desporto, senti a exaltação de um povo. E, só por isso, viva o futebol. Se é esse um meio, então pratiquemo-lo.

Hoje, de tarde, não se ouviu falar em crise. Não se ouviram fundamentalismos religiosos. Não se praticou o cumprimento do "vai-se andando".

E venham mais 7.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Ei! Ei, ei, ei. Não estou de repouso?

Lista de tarefas para hoje :

1. Análises ao sangue;
2. Pressoterapia;
3. Levantar vestido na costureira;
4. Falar com proprietária da casa sobre assuntos pendentes ao abrigo do arrendamento;
5. Supermercado;
6. Resolver acesso Online com MEO;
7. Testar a Bimby e validar a reparação;
8. Falar com responsável pela empresa de limpezas e "dar-lhe um aperto" (salvo-seja!);
9. Fazer duas camisolas "Mãe de Feltro" que me foram pedidas;
10. Fazer outra camisola "Mãe de Feltro" para o MM (pois ando cheia de ideias e não posso ficar frustrada por não as meter em prática!);
11. Falar com banco;
12. Marcar consulta para MM;
13. Arrumar roupa passada a ferro;
14.  Responder ao Director da Santa Casa da Misericórdia da zona;
15. Preparar jantar pois Mãe e irmão mais novo vêm cá;
16. Responder a questões profissionais (pois não consigo libertar-me do mail, esse despota da modernidade);
17. Continuar a avaliar orçamentos para a construção da casa;

E ser uma Mãe extremosa , uma Mulher fogosa, uma filha amorosa, uma irmã carinhosa, uma neta cautelosa e uma amiga atenciosa.

Chiça!
Aqui fica uma vénia às mães-domésticas deste pais.

*Atenção que eu faço a todas, mas nestes dias em que julguei que iria ficar a decorar o tecto, como era suposto, vejo que o facto de estar em casa é afinal um potenciador de assuntos para resolver!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Bimby. Esse GUCCI da cozinha.


Há cerca de 2 meses que a minha auxiliar de cozinha se avariou. Ou melhor, constipou-se pois espirrava água a todo e qualquer comando que lhe desse. Levei a pobre enferma à Assistência Técnica e o prognóstico, embora a mesma já estivesse fora da garantia, não foi preocupante : "Parece-me tratar-se da borracha de isolamento que está desgastada". Muito bem, borracha é só borracha, pelo que, não deverá ser nem muito caro, nem demorar muito.

Duas semanas se passaram e decidi ligar para saber o estado de saúde da pequena, estranhando a ausência de notícias, sobretudo quando aparentemente se trataria de uma troca de borracha. Depois de me identificarem, a conversa começou a ter alguns rodeios, algumas pausas e hesitações (Hummm....).
- "O que se passa ? A máquina explodiu ??" - questionei eu.
- "Não, não, está tudo bem. Só que os líquidos apanharam o motor. O arranjo terá um custo de 347€.
- "Ah............................................" (Enquanto recuperava da quase paragem respiratória pós-traumática).

Saltando o episódio da comunicação do drama, em concílio familiar ponderámos que seria mais sensato arranjar, renovar a garantia por mais 2 anos do que encostar à box um investimento de 1000€. E assim foi.

Agora está ali, na minha cozinha. Linda e luzidia. Aparentemente transpira saúde. Eu é que estou mais em baixo. E mais pobre! Como também ando meio constipada temo por algum contágio, e ainda não me aproximei dela, não vá a dita fragilizar-se. Quando a observo só me ocorre : revisão do carro, ou um pacote de 12 sessões de pressoterapia, ou um fim-de-semana fora... Mas isto hoje dá a volta. Ai dá, dá!

Prepara-te minha menina, irei abusar de ti como se não houvesse amanhã e irás render cada um dos 347 euros!!!

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Conversas miúdas #6


MM: "Mamã ?"
Eu: "Sim, filho."
MM: "O Maria tem pipi ?"
Eu (Que pensei que as conversas no âmbito da sexualidade viessem mais tarde, lá respondo): "Não filho. O Miguel Maria tem pilinha."
MM: "Ah, está bem. Então a Mamã tem pipi."
Eu: "Certo filho."
MM: "E o Papá tem pilinha."
Eu: "Pois é."
MM: "E a Bia tem pipi." - A Bia é uma coleguinha da Creche... - "E a Nônô tem pipi. E o Duarte tem pilinha. E o Martim tem pilinha. E o Ruben tem pilinha."
Eu: "Certo filho..."

Ou seja, a conversa de pilinhas veio para ficar... E eu que pensava que, nesta fase, seriam mais assuntos à laia de Noddys e Rucas.